Mundo

21/10/2019 as 11:02

Canadá vai às urnas com Justin Trudeau ameaçado

Escândalos abalaram a imagem do premier antes da eleição

Agência: Ansa
Foto: Epa / Ansa<?php echo $paginatitulo ?>

(ANSA) - O Canadá vai às urnas nesta segunda-feira (21) para eleger seu novo Parlamento, em uma disputa que ameaça tirar o primeiro-ministro Justin Trudeau do poder após apenas um mandato.

Celebrado como o "anti-Trump" no cenário internacional por suas políticas para igualdade de gênero e imigrantes, Trudeau enfrentou uma campanha difícil e viu sua popularidade ser abalada por dois escândalos apenas neste ano.

No primeiro, a ex-ministra da Justiça Jody Wilson-Raybould o acusou de pressioná-la para impedir a Procuradoria-Geral de abrir um inquérito contra a SNC-Lavalin, uma das maiores empresas do Canadá e que atua nos setores de construção civil, óleo e gás, metalurgia e mineração.

No segundo, o premier teve de se explicar por ter tirado fotos com blackface antes de entrar para a política, o que colocou em xeque seu discurso antirracismo. A maioria das pesquisas aponta um empate técnico entre o Partido Liberal (LPC), liderado por Trudeau, e o Partido Conservador (CPC), de Andrew Scheer, que tenta devolver a centro-direita ao poder.

Ainda que vença, Trudeau dificilmente repetirá o resultado de 2015, quando seu partido teve quase 40% dos votos. Já uma eventual derrota seria a primeira de um chefe de governo com maioria parlamentar no Canadá em 84 anos.

Sentindo que um dos poucos líderes progressistas de uma potência internacional pode estar em perigo, o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama apoiou Trudeau publicamente, afirmando que o mundo precisa de sua liderança.

As pesquisas também apontam que nenhum partido deve obter maioria no Parlamento, e o vencedor provavelmente terá de buscar alianças para governar. No caso do LPC, a aposta deve ser no Novo Partido Democrático (NDP), do líder sikh Jagmeet Singh.

Já o CPC deve recorrer ao Bloco de Québec, que defende a soberania da única região de língua francesa do Canadá. Scheer, o líder dos "tories", busca se colocar como um "canadense normal" contra o estrelismo de Trudeau e vender um conservadorismo que também dialogue com as minorias. (ANSA)