Geral

10/07/2020 as 11:40

Edmar Santos, ex-secretário de Saúde, é preso no interior do Rio de Janeiro

Além do ex-secretário de Saúde, há sete pessoas sendo acusadas pelo Ministério Público de improbidade administrativa

Agência Sputnik
Foto: © REUTERS / Ricardo Moraes / SPUTNIK<?php echo $paginatitulo ?>

O ex-secretário de Saúde do Rio foi preso em uma operação conduzida pelo Ministério Público fluminense, que o acusa de fraude em compra excessiva de respiradores, nenhum dos quais chegou aos destinos.
Edmar Santos, ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro, foi preso na manhã desta sexta-feira (10) em Itaipava, na Região Serrana do Rio, por acusações de irregularidades nos contratos de Saúde do Rio de Janeiro (RJ) durante a pandemia da COVID-19.

A ação veio como resultado de operação do MP estadual. Santos é acusado de fraudes em alguns contratos firmados sem licitação, incluindo de compra de respiradores, oxímetros e medicamentos, e o de contratação de leitos privados.

Segundo o MP fluminense, foi o ex-secretário de Saúde quem definiu a quantidade de respiradores em montante de R$ 36 milhões que seriam comprados pelo governo. Nenhum dos respiradores chegou aos hospitais, apesar de serem comprados mil no fim de março e início de abril.

"O resultado encontrado pela apuração minuciosa feita pelo TCE-RJ foi de um superdimensionamento de 70%, equivalente à contratação de 411 equipamentos a mais do que seria necessário", comentam os investigadores.
Edmar Santos nega as acusações, afirmando que tudo fez para evitar irregularidades, e que elas teriam ocorrido por "erro administrativo".

Além do ex-secretário de Saúde, há sete pessoas sendo acusadas pelo Ministério Público de improbidade administrativa. O ex-subsecretário Gabriell Neves está preso desde 7 de maio e é acusado de desvio de dinheiro público, e organização criminosa. Os donos das empresas contratadas também foram presos durante a operação, e igualmente acusados de fraude.

Na segunda-feira (6), a Justiça quebrou o sigilo bancário e bloqueou os bens de Edmar Santos, que se recusou a responder às perguntas das Comissões de Fiscalização dos Gastos do Estado, Alerj, contra a COVID-19 e de Saúde durante uma sessão virtual.

O governo do RJ gastou R$ 1 bilhão para fechar contratos emergenciais.